Viajante Sou
Rio Grande do Sul

Parque Aldeia do Imigrante em Nova Petrópolis/RS: uma volta ao passado

Quando você pensa em “Serra Gaúcha”, vêm logo à mente as cidades de Gramado e Canela, certo? Mas o que posso garantir é que, essa região, tão famosa por sua gastronomia e belíssimas paisagens, agrega dezenas de outras atrações em diferentes cidades, como é o caso do Parque Aldeia do Imigrante (ou Parque do Imigrante), que fica em Nova Petrópolis/RS.

Nova Petrópolis é conhecida por sua cultura alemã, principalmente com relação à gastronomia, mas também é destaque em áreas como malharia e artesanato. Muitos eventos voltados a esses segmentos acontecem no município, como a Festimalha e o Festival da Primavera. Vale conferir!

Agora, uma das melhores atrações (se não a melhor) que a cidade disponibiliza é o Parque Aldeia do Imigrante. O parque apresenta uma estrutura completa ao visitante, e seus colaboradores são muito atenciosos e gentis. Ele foi oficialmente inaugurado em 12 de janeiro de 1985, ocupa uma área de aproximadamente dez hectares e já sofreu várias revitalizações, sempre visando melhorias aos turistas que visitam o local.

Em suma, o Parque Aldeia do Imigrante está dividido em dois belos espaços: a Aldeia Bávara e a Aldeia Histórica. Vamos falar um pouco mais sobre ambas a seguir.

Atrações do Parque Aldeia do Imigrante

Logo na entrada o local se mostra muito convidativo, pois é possível ver um pequeno lago, rodeado de muito verde, com um chafariz central jorrando água para o alto. Nem entramos no parque e já paramos para tirar umas fotos! Detalhe: na época do Natal é posta uma grande árvore comemorativa à data, bem no centro.

Após pagarmos o ingresso, no valor de R$ 12,00 por pessoa (idosos e crianças pagam meia-entrada, ou seja, R$ 6,00), e adentrarmos ao parque, fomos convidados a experimentar uma deliciosa cerveja artesanal. Recomendamos!

A primeira visão que tivemos do Parque Aldeia do Imigrante foi da Aldeia Bávara, que é composta por casas comerciais, uma releitura dos vilarejos presentes na região Sul da Alemanha. Elas oferecem produtos típicos locais, como malhas (principal) e artesanato, além de chocolates da marca Florybal (www.florybal.com.br). Também há um pequeno playground para a criançada brincar, enquanto os pais podem ir às compras.

Perto dali está o Biergarten, o “Jardim da Cerveja”, que é o espaço de alimentação do local, com petiscos, lanches (pastel, pão de queijo e minipizza) e pratos típicos da culinária alemã (kartoffel, pretzel e bratwurst), além da cerveja Triberg, a bebida oficial do parque. Ao lado do Biergarten está o lago que citamos no início. Uma bela paisagem para acompanhar um lanche delicioso.

Mas não para por aí: em um quiosque, também ali perto, que serve para apresentações, tem música ao vivo, obviamente da cultura alemã, praticamente todo o tempo. É bem divertido e você pode, inclusive, dançar! Spielen sie noch ein stück, bitte! (Toca mais uma música!) É uma verdadeira festa germânica…

Dica importante: os banheiros do Parque Aldeia do Imigrante ficam abaixo do quiosque e são bem limpos, pelo menos na época de nossa visita.

Seguindo o caminho guiado por bonitas placas, você chegará, primeiramente, aos pedalinhos do parque, que funcionam das 09h às 12h, e das 13 às 17h, com valor de R$ 10,00 por 20 minutos de passeio (não está incluso no valor de ingresso ao Parque do Imigrante).

Mais à frente, seguindo caminho entre árvores de um pequeno bosque (nesse caminho você pode aprender um pouco do vocabulário alemão com algumas placas informativas espalhadas por lá), está a atração principal do Parque Aldeia do Imigrante, a Aldeia Histórica. A aldeia retrata fielmente a história da imigração alemã, com usos, costumes e vivência através de objetos e reconstruções trazidas do interior do município.

Os prédios escolhidos para fazer parte do acervo vieram de diversas localidades do interior de Nova Petrópolis. Esses prédios foram fotografados, desmontados e carregados até o local onde seriam reconstruídos.

Para fazer tais reconstruções foi utilizada uma técnica chamada “enxaimel”, que é originária da Alemanha, apresentando ao visitante a estrutura e o funcionamento de uma aldeia entre os anos de 1870 e 1910. Tudo muito lindo.

Parque Aldeia do Imigrante: Aldeia Histórica

Na Aldeia Histórica encontram-se as seguintes construções:

  • Capela do Imigrante: a capela é proveniente do distrito de Linha Araripe, foi construída em 1875 e funcionou até 1970; é ainda a única no Brasil com torre e nave equipada com sino de bronze. Já os objetos de culto vieram de diversas igrejas de diferentes confissões religiosas do município. Por ser ecumênica, a capela ainda é usada para realização de cultos e casamentos de qualquer religião, sendo possível alugar a mesma para tais fins;
  • Cemitério: todas as comunidades tinham um cemitério que normalmente ficava ao lado da igreja com uma Cruz de Honra “Harret des Hernn”. Com antigas lápides feitas de barro queimado e posteriormente granito, no local estão os túmulos do primeiro pastor de Nova Petrópolis, Reverendo Heinrich Hunsche, e sua esposa; de seu neto historiador, Dr. Carlos H. Hunsche, e também do primeiro professor público, Frederico Michaelsen, e sua esposa Filipine;
  • Memorial da Arquitetura Germânica: casa com cantina construída em 1870 de Arroio Paixão, atualmente o espaço abriga réplicas em miniatura de casas e construções diversas, que retratam a arquitetura alemã na região da Rota Romântica;
  • Salão de baile: neste local é possível comprar alguns quitutes caseiros da culinária alemã, como as famosas cucas, o apfelstrudel, waffel, bolinho de batata, pãozinho de linguiça, entre outras delícias. Bitte, einen kuchen! (Por favor, uma cuca!) Ao lado, como é possível verificar na foto abaixo, há uma pequena área verde, ideal para se tirar uma bela fotografia;
  • Cooperativa de Crédito: este local abriga um pequeno Museu da Caixa Rural, a primeira Cooperativa de Crédito da América Latina, fundada em 1902 pelo Padre Teodoro Amstad e pelos colonos da comunidade, na localidade de Linha Imperial. Nova Petrópolis tem o título de Capital Nacional do Cooperativismo devido ao pioneirismo e engajamento cooperativista de sua comunidade. A antiga Caixa de Economias e Empréstimos Amstad é, hoje, a Sicredi Pioneira RS;
  • Ferraria: a ferraria, construída em 1903, pertenceu ao Sr. Alfredo Hullman, sendo a mais antiga da cidade. Elas eram essenciais para a vida dos colonos, que fabricavam enxadas, foices, ferraduras de cavalo, entre outros utensílios necessários para o uso cotidiano da época;
  • Escola Comunitária: deslocada da comunidade de Linha Temerária, esta é a escola mais antiga do município e foi construída por imigrantes. As escolas comunitárias eram a maneira de suprir a ausência do estado no que tange a educação no início da colonização, sendo que as aulas eram dadas em alemão pelos próprios imigrantes;
  • Casa do Professor: este local servia como casa do professor, estando normalmente localizada próxima à Escola Comunitária. Em muitos casos, o professor só tinha estudo até o 4º e 5º anos, e nem sempre dominava a língua portuguesa, mas era um verdadeiro líder comunitário. O local é proveniente da localidade de Pinhal Alto e pode-se notar que, diferente das outras casas, não recebeu blocos de tijolos;
  • Engenho de Cana: funcionando com tração animal, os engenhos eram uma boa fonte de renda e de suma importância. Quase todas as casas tinham um e eram utilizados, principalmente, para tirar o caldo da cana;
  • Casa Paroquial: estava originalmente localizada no distrito de Pinhal Alto e servia de moradia para o padre ou pastor, para atender sua comunidade;
  • Museu Histórico Municipal: este casarão, que servia como a casa do médico e também hospital, foi removido do centro de Nova Petrópolis e abriga hoje o museu municipal. No local está retratada a trajetória política da cidade, a história dos grupos folclóricos, além da trajetória da imigração alemã através de objetos antigos. São dois andares de puro aprendizado;
  • Transporte de carro elétrico: é uma das opções de locomoção, entre a Aldeia Bávara e a Aldeia Histórica (e vice-versa), que o Parque Aldeia do Imigrante oferece. Detalhe: o Carrinho Elétrico não está incluso no valor do ingresso, e custa R$ 5,00 para um trecho e R$ 8,00 para ida e volta. Nós fizemos o trajeto a pé mesmo e recomendamos que você faça o mesmo.

Como chegar ao Parque Aldeia do Imigrante

O parque Aldeia do Imigrante fica no Centro de Nova Petrópolis, e é possível estacionar nos arredores do local, que até então, na época de nossa visita, era gratuito. Não há estacionamento dentro do parque, e não tivemos problemas com relação à segurança.

Distância de:

  • Gramado/RS: 34,9 km;
  • Caxias do Sul/RS: 34,8 km;
  • Florianópolis/SC: 482 km;
  • Curitiba/PR: 607 km;
  • São Paulo/SP: 1.017 km;
  • Rio de Janeiro: 1.450 km.

Melhor época para visitar o Parque Aldeia do Imigrante

Como já citamos em artigos anteriores referente a visitas à Serra Gaúcha, a melhor época para se visitar o Parque Aldeia do Imigrante em Nova Petrópolis é quando você estiver nos arredores. Caso venha à Serra Gaúcha, tente tirar um tempo para passar na cidade, que fica a pouco mais de 30 km de distância de Gramado. Tanto no verão como no inverno, o local é lindo e é possível aproveitar ao máximo.

Outros locais para visitar em Nova Petrópolis

  • Ninho das Águias;
  • Labirinto Verde;
  • Esculturas Parque Pedras do Silêncio;
  • Cervejaria Edelbrau;
  • Mukli Alfajores (um dos alfajores mais deliciosos que já experimentamos).

Horário de funcionamento e valores

O Parque Aldeia do Imigrante funciona de segunda a domingo, das 08h30 às 18h.

  • Visitantes: R$ 12,00;
  • Estudantes e idosos (apresentar documentação): R$: 6,00;
  • Crianças (até 06 anos) e munícipes: isentos.

Serviço

Posts Relacionados

Templo budista em Três Coroas/RS: conheça o Khadro Ling

Rodrigo

Cânion Fortaleza: conheça esse cartão postal do Brasil

Igor

Cascata do Caracol em Canela/RS: vale a pena visitar?

Rodrigo

Deixe um comentário